segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Ginecologista

Oi, pessoal! Este post já pelo título indica que é mais direcionado às mulheres, entao vamos lá!
Quando a gente sai do Brasil procura fazer todos os exames possíveis e impossíveis pensando em nao só se prevenir mas tb com um poquinho de medo do sistema de saúde québécois que alguns contam verdadeiros horrores sobre. No entanto, cedo ou tarde a gente acaba tendo que conhecer e se habituar com a rotina do sistema de saúde daqui, que eu pelo menos tenho tido boas experiências até o momento, embora nunca tenha precisado de uma emergência.  Em outro post eu conto como foi a minha outra experiência com um especialista já que se tratou de exames oftalmológicos.

Queria muito ir ao ginecologista para fazer os exames anuais de rotina e para que ele me receitasse um novo anticoncepcional, já que os que eu trouxe do Brasil acabaram e aqui a gente só pode comprar com receita.

Para conseguir a consulta:
Perto de casa tem uma clínica que atende com ou sem rendez-vous (agendamento). Liguei e perguntei se poderia agendar uma consulta mesmo sem ter médico de família (nao posso falar bem ou mal sobre, porque até agora nao precisei de um e nem cheguei a tentar ter um). A atendente disse que para ginecologista eu nao precisava de médico de familia, mas que eles nao tinham mais esta especialidade disponivel lá na clínica e me deu 2 outros telefones de contato de outras clínicas para eu verificar.
Ambas as clínicas sao mais distantes de Sainte-Foy, de ônibus levam cerca de 1h30/2hs para chegar, mas de carro ridiculamente 25 minutos, no máximo! Escolhi a mais perto e liguei. Reforcei que nao tinha médico de familia pra nao ter nenhum equívoco, novamente me foi confirmado que eu nao precisava, perguntou se eu tinha a carte d'assurance maladie (p/ quem nao sabe, é o cartao que dá direito a acessar o sistema de saúde do Québec gratuitamente, só para residentes da província, já que para outros os serviços nao sao gratuitos). Consulta agendada com quase 3 meses de antecedência! Antes disso nao tinha mais vaga. Até entao tudo bem, com a minha médica preferida no Brasil eu tb tinha que agendar com uns 3 meses de antecedência para conseguir uma vaga, isto com plano de saúde. Bem, como vcs viram foi bem fácil conseguir um atendimento agora bastava saber como seria o atendimento, que acabou sendo antecipado em 2 semanas por solicitaçao da clínica.

Dia da consulta:
Cheguei na clínica 5 minutos antes do horário marcado. Clínica grande, dentro de uma galeria comercial no estilo dos shopping que tem por aqui. A surpresa ficou pela quantidade de pessoas na sala de espera. Crianças, idosos, mulheres... mais de 30 pessoas aguardando sentadas nas cadeirinhas. Muitas salas de atendimento, tudo limpo, arrumado, organizado como qualquer grande clínica particular no Brasil. Por um instante, achei que iria mofar ali devido a quantidade de pessoas que vi, mas depois percebi que eles fazem atendimento às diversas especialidades e também atendimentos sem rendez-vous e por isso estava muito cheio. Fui direto ao balcao de recepçao, informei o horário da minha consulta, meus dados e mostrei a Carte d'assurance maladie. Sentei na cadeirinha pra aguardar minha vez e tcham! Fui chamada no autofalante pelo médico na hora exata em que marquei a consulta. Nao esperei nem 3 minutos sequer!
O atendimento em si nao durou mais que 15 minutos, com as questoes normais e exames habituais que fazemos no Brasil, mas nada de ultrassonografia. O médico falava muito rápido, deixando bem evidente que estava com pressa, mas nem por isso deixou de ser atencioso e simpático. Respondia todas as minhas questoes e ainda me fazia outras milhares sobre o Brasil e o Rio de Janeiro. rsrsrsrs. Disse que o laboratório só iria me ligar para dar o resultado dos exames caso desse algum problema neles. Medonho!! hihihi. Disse também que fora isso eu deveria voltar no prazo de 1 ano para fazer as consultas e exames de rotina anual e que quando eu quizer engravidar para voltar e avisar que eles fariam exames mais detalhados, fora isso, só mesmo os exames de rotina.

Na farmácia:
Fui comprar o remédio na farmácia e estranhei o fato deles ficarem com  a minha receita. Questionei como eu faria pra comprar mais nos próximos meses. A atendente disse que a partir daquele momento eu seria cadastrada no sistema e nao precisaria mais da receita, bastava eu fornecer meus dados que eles iriam verifar antes de vender o medicamento prescrito. Eita, micao da Madame aqui no primeiro mundo! hehehe Logo depois que paguei quem me entregou a caixinha de remédio foi a própria farmacêutica que explicou como tomar (como se eu nao soubesse, mas nao poderia cortar o barato do atendimento), os efeitos colaterais e ainda fez questao de se certificar que eu nao tinha nenhuma questao.

Sobre o meu ponto de vista:
Sabemos da escassez da mao de obra na área da saúde aqui, aliada a toda burocracia das ordens profissionais que impedem os imigrantes de trabalharem e melhorarem a situaçao deles e da populaçao. No entanto, tirando os pbs com as ordens profissionais, ainda tenho admiraçao ao sistema de saúde do Québec. Considerando minhas humildes avaliaçoes e críticas pessoais baseadas em experiências no Brasil e no que eu acredito, por isso fiz uma avaliaçao positiva deste atendimento. Tive um atendimento gratuito, respeitoso, competente e que correspondeu as minhas expectativas, entao... até aqui tudo bem.

3 comentários:

Patinha. disse...

Tudo novo,né? isso é diferente pra gente!
Também fiz meu relato quando fui a 1ª vez ao gineco aqui,agora ja fui a 2ª e foi ainda melhor,fiz uma ultra lá mesmo (privé,é claro) mas descartamos qq problema sem ter que esperar meses pelo sistema público..as vezes fica dificil esperar!!
A gente vai acostumando e se adaptando aos pouquinhos.Que bom que agora já tem o seu também.
Bjs!!

Giselle disse...

Olá, Patinha! Sempre bom te ver por aqui.
Quanto a ultra eu já tinha feito no Brasil antes de vir para cá e como estava tudo bem e o médico daqui disse que nao havia necessidade, eu confiei. Até por que nao quero tirar $$$ do meu bolso e colocar no deles com exames desnecessários, como ocorre nas clínicas particulares e com os convênios no Brasil.

Andressa disse...

A parte que eu mais gostei, foi: "...não poderei cortar o barato do atendimento..."

hahahahah

Tudo é novidade. Até o atendimento na farmácia.

Muito bom!

Bjks